A dívida brasileira e o emprego. Ouro segue em alta beliscando os US$ 1.300,00 a ozt.

5 anos atrás
Home  /  Brasil  /  A dívida brasileira e o emprego. Ouro segue em alta beliscando os US$ 1.300,00 a ozt.

A dívida brasileira e o emprego.
Ouro segue em alta beliscando os US$ 1.300,00 a ozt.
Informações do Mercado – 29/04/2016 14:40
Por: Moacir Camargo – Economista da Parmetal DTVM

Cenário Político:
Na esteira dos fatos que colocaram a presidenta da República, Dilma Rousseff, a brigar contra o processo de impeachment na Câmara dos Deputados (perdido) e agora em apreciação no Senado, encontrasse a figura eloquente, patriota, da jurista, doutora e professora da respeitada faculdade de direito da Universidade de São Paulo, Janaina Paschoal. Ela, ontem à noite e início da madrugada, defendeu que a sua tese deveria ser apreciada por inteiro, além dos 2 pontos aceitos pelo presidente da Câmara Eduardo Cunha: as pedaladas fiscais e os decretos de suplementação orçamentária (os 2 avaliados também pelo Senado), onde a gestão petista incorreu em crime de Responsabilidade Fiscal previsto em lei; pleiteando que as irregularidades dentro da principal estatal do país: a Petrobrás, empresa alvo das investigações do juiz federal Sérgio Moro conhecida como “Operação Lava-Jato” também fossem incluídas. Ela acredita que a Constituição e o Congresso conferem ao Senado poderes para apreciar todos os fatos e disse também aos senadores que os pontos ligados a Operação Lava-Jato os quais foram subtraídos da apreciação, pelo presidente da Câmara dos Deputados, tiveram motivação particular. Miguel Reales Jr., também autor do pedido de impeachment, em defesa da peça, foi categórico em afirmar que Dilma cometeu crime de responsabilidade fiscal sim e que o alvo maior do processo de impeachment é a “ditadura da propina”, pautou também que as pedaladas serviram para que Dilma fosse reeleita. O outro autor do processo, o jurista e um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores Hélio Bicudo, não pode participar do evento.
Nesta manhã no Senado, o atual ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, defende que os decretos de demanda de créditos suplementares orçamentários e as pedaladas fiscais não caracterizaram crimes de responsabilidade fiscal. Teremos ainda a defesa da presidente a ser feita pelo Advogado Geral da União, o ex-ministro da justiça José Eduardo Cardoso e pela ministra da Agricultura Katia Abreu.

Placar do Impeachment no Senado – 1ª etapa: Admissão do Processo. (Fonte: Estadão):
• A favor: 50 (necessários 41)
• Contra: 21
• Indecisos: 4
• Não responderam: 05
• Ausência: 1
Obs.: São necessários 41 votos (maioria simples) para aceitar o processo de impeachment no Senado, porém, no julgamento faz-se necessários 2/3, ou seja, 54 votos de concordância quando for executada a pergunta, pelo presidente do Senado, aos senadores votantes: “Cometeu a acusada Dilma Rousseff o crime que lhe é imputado e deve ser condenada à perda do seu cargo? ”

Cenário Econômico:
Uma coisa que pesou sobre o dia de hoje no mercado brasileiro foi a divulgação das contas do setor público que registrou em março um “déficit primário” de -R$ 10,6 Bilhões, sendo o pior nº da série histórica para o mês de março, tendo o segundo pior resultado em março/2010 com déficit de -R$ 100 milhões, ou seja, 106 vezes maior do que o 2º pior resultado. Só esclarecendo que déficit primário significa que os juros da dívida pública não estão computados neste número. Para computar, usaremos o conceito de “déficit nominal”, e o déficit nominal nos últimos de 12 meses encontra-se em R$ 579,3 Bilhões. A “dívida bruta” do Brasil está em R$ 4,0 Trilhões e esse nº representa 67,3% do nosso PIB. Explicando: devemos 67,3% de tudo aquilo que é produzido no Brasil, então, falar que a gestão petista quitou a dívida brasileira, ou a dívida externa é a maior falácia do governo, pois o que o governo fez foi trocar uma dívida com juros baratos (entre 0,5% a 2% ao ano) por juros SELIC, substituindo o credor e emitiu, e continua emitindo títulos no mercado para financiar sua dívida pagando a juros SELIC. Mas a gente pode pensar na alta que teve o dólar recentemente e no impacto que isso teria sobre uma possível dívida dolarizada, mas lembro que o governo tem mecanismos para agir sobre a cotação do dólar como: venda de moeda estrangeira no mercado à vista e os famosos e usuais contratos de swaps cambias normais (venda futura) e os swaps reversos, equivalente a compras futuras. Uma observação importante sobre o carácter da dívida é que as agências de rating observam com afinco esses números e são esses números que colocam o Brasil como bom pagador ou um possível inadimplente, que foi o caso nosso recente, tendo em vista que fomos rebaixados ao ponto dos nossos títulos serem classificados como “junk bonds”, que no jargão de Wall Street significa que valem tanto quanto lixo. Só isso, por si só já afugentam os investidores, mas existem regras contratuais nos principais e “mais gordos” fundos de investimentos estrangeiros que proíbem que seus recursos sejam direcionados para países sem o “investment grade”. Menos investimento, menos emprego.
A Bolsa brasileira abriu em alta e em menos de 1 hora de pregão marcava +0,70% com 54.696,96 pontos, caiu fortemente e opera nesse começo do período vespertino em baixa de quase 1,0% (-0,98%). Como não temos indicadores econômicos favoráveis para um frenesi em comprar Brasil, qualquer motivo é suficiente para a Bolsa brasileira cair, mas hoje, além motivos já suficientes, a própria presidente homologou hoje a prorrogação do programa Mais Médicos e abriu novas vagas, indo contra a necessidade primeira de contenção de gastos. A única crítica que eu tenho o programa Mais Médicos, onde estão inscritos +10.000 médicos cubanos é que a maior fração dos seus salários são remetidos para o governo ditatorial cubano, não gerando as benesses à nossa necessitada economia doméstica. Seria excelente para o país se esses médicos cubanos recebem seus salários na integralidade dentro do nosso território e que pudessem trazer seus familiares para viverem no Brasil.
As Bolsas europeias seguiram todas no vermelho e encerraram o pregão desta sexta-feira em queda. Um dos motivos é o fato da inflação nos últimos 12 meses na zona do euro ter ficado negativo em -0,2%, mas outros índices apresentaram-se bem favoráveis como: o PIB trimestral está positivo em +0,6% e o anual (12 meses) em +1,6%, mostrando crescimento das economias como um todo na zona do euro. Talvez o sentimento negativo proporcionado pela decisão do Banco Central do Japão em não promover estímulos à economia japonesa, dentro da sua política monetária onde manteve inalteradas as taxas de juros, gerou e agravou esse sentimento pessimista que também contamina no dia de hoje as Bolsas americanas.

Principais Bolsas Mundiais e índices (14:23):
• Dow 30 – USA: -0,48%
• Nasdaq – USA: -0,58%
• S&P/TSX – CAN: +0,35%
• Ibovespa – BRA -0,84%
• DAX – DEU: -2,76%
• FTSE 100 – GBR : -1,27%
• CAC 40 – FRA: -2,84%
• Euro Stoxx 50 – EUR: -3,00%
• IBEX 35 – ESP: -2,42%
• FTSE MIB – ITA -1,88%
• SMI – CHE: -1,65%
• Nikkei 225 – JPN: -3,61%
• S&P / ASX 200 – AUS +0,51%
• China A50 – CHN: -0,26%
• Hang Seng – HKG: -1,64%
• KOSPI – KOR: -0,34%

O ouro no mercado internacional beliscou os US$ 1.300,00 a onça troy na hora do almoço e trouxe alegria aos seus detentores. Nesta tarde (14:27) o ouro segue sendo negociado a US$ 1.290,60 a ozt., computando alta de +1,91% e US$ 24,20 de ganho por onça. Na Parmetal DTVM, o ouro é negociado agora (14:27) a R$ 140,20 o grama para compra e R$ 142,35 para venda, alta de +0,64% frente ao fechamento de ontem. E mais uma vez a queda do dólar (-1,08%) segura o brilho do metal amarelo aqui no Brasil.

Indicadores de Mercado 14:27:
• Ouro – NY (Ozt.) US$ 1.290,60 +1,91%
• Petróleo (Brent) US$ 47,07 -1,47%
• Milho (Ton) US$ 391,75 +0,29%
• Dólar – US$ R$ 3,4515 -1,08%
• Euro – € R$ 3,9483 -0,23%
• Poupança (mês / Acum. 2016) +0,6311% +3,3479%
• Inflação – IPCA (mês / 12 meses) +0,43% +9,387%

https://www.parmetal.com.br/noticias-e-artigos

Categories:
  BrasilCâmbioCommodityCorrupçãoCotacaoDívida PúblicaDólarEconomiaEmpregoEUAEuropaIbovespaImpeachmentInadimplênciaInvestimentoJapãoMercadoMineracaoOuroPIBPolíticaTaxa de Juros
Esse post foi compartilhado 0 vezes
 200