Ouro sobe apesar dos sinais de comércio inflado

3 semanas atrás
Home  /  Câmbio  /  Ouro sobe apesar dos sinais de comércio inflado

Gold bars are seen at the Austrian Gold and Silver Separating Plant 'Oegussa' in Vienna

Os preços do ouro subiam nesta terça-feira, com uma combinação de nervosismo sobre as relações Brexit, Hong Kong e EUA-China, todos mantendo ativos de refúgio com bons lances e ativos de risco na defensiva.
Às 9h15, os contratos futuros de ouro para entrega na bolsa Comex subiram 0,8% em relação ao final da sexta-feira, a US$ 1.541,35 por onça troy, enquanto o ouro à vista subia 0,2%, a US$ 1.532,29 por onça.

O cenário de risco também se espelhava no mercado de títulos, onde o rendimento dos títulos do Tesouro em 30 anos caía para 1,95%, e a notória “inversão” dos rendimentos de dois e 10 anos ainda estava intacta após fim de semana prolongado do Dia do Trabalho.

Os rendimentos estavam caindo drasticamente em outros lugares, com o Gilt de dez anos no Reino Unido caindo para um novo nível mais baixo de todos os tempos: 0,34%, depois que os legisladores começaram a agir para frustrar os planos do primeiro-ministro Boris Johnson com relação ao Brexit. O rendimento do Bund de 10 anos na Alemanha caía para -0,75%.

Dados da Commodity Futures Trading Commission (Comissão de Comércio de Futuros de Commodities) na sexta-feira sugeriram que as apostas de portfólio em ouro permanecem em níveis historicamente altos, apesar de terem caído ligeiramente na semana passada. A Bloomberg disse que seus dados mostraram que as participações em ETF de ouro aumentaram mais de 101 toneladas em agosto, depois de dois meses em que as participações tiveram um total de 154 toneladas.

“Continua parecendo um pouco de negociação inflada, mas que está aparecendo nos indicadores de momento, sugerindo que algumas dúvidas de curto prazo podem estar surgindo”, disse Craig Erlam, do MarketBeat. “Porém, os touros não desistem facilmente e continuam comprando na crença de que os fundamentos trarão finalmente mais ganhos.”

No entanto, há sinais de que o fator fundamental mais forte do rali pode estar perdendo força: a análise do World Gold Council sugere que as compras líquidas dos bancos centrais caíram quase 90% em julho em relação a junho, para apenas 13,1 toneladas – o nível mais baixo de compras líquidas mensais desde agosto de 2017, de acordo com Krishan Gopal do WGC.

Os países majoritariamente responsáveis ​​pelas compras líquidas de bancos centrais eram predominantemente China, Rússia, Turquia e Cazaquistão. Nas duas maiores, China e Rússia, a acumulação de reservas estrangeiras enfraqueceu nas últimas semanas, com o banco central chinês embarcando notavelmente em uma depreciação gerenciada do yuan.

Os dados do WGC também mostram que a demanda indiana de jóias também enfraqueceu em resposta ao aumento dos preços e à maior desaceleração do crescimento econômico indiano em sete anos.
Em outros lugares, a prata continuou a recuperar o atraso com seu irmão metal mais glamouroso, subindo 1,8%, atingindo uma alta intradiária de US$ 18,67 a onça, apenas 9 centavos abaixo da alta de três anos que atingiu na semana passada.

Enquanto isso, os futuros de cobre caíam abaixo de US$ 2,50 a libra pela primeira vez desde o final de 2016.

FONTE: Investing

Categories:
  CâmbioCommodityCotacaoDólarEconomiaEUAInvestimentoMercadoOuroParmetal
Esse post foi compartilhado 0 vezes
 000